Morrissey alfineta príncipe Harry e arrebata público na Lapa

“Como vocês devem saber, o Príncipe Harry está no Rio de Janeiro. Ele está aqui para pegar o dinheiro de vocês. Por favor, não deem a ele”, disse o cantor inglês Morrissey em seu show, na madrugada de sexta-feira para sábado, na Fundição Progresso.

Esse não foi o único comentário provocativo do cantor. “Hoje eu decidi dar uma volta no Rio de Janeiro. Eu tenho que dizer: todo mundo aqui é lindo. Cada um dos três sexos”, mandou.

Aos 52 anos, Morrissey mostrou que continua o mesmo que encantou gerações à frente de sua lendária banda, The Smiths, que durou apenas cinco anos mas deixou um grande legado no rock. Depois de 11 anos de sua apresentação anterior no Rio, ele cantou para cerca de 5 mil pessoas (com ingressos esgotados) que deixaram levar pela bela voz, cheia de personalidade, e letras que cantam sobretudo o amor, em geral de forma triste.

O show já começou com um sucesso, ‘First of the Gang to Die’. ‘Still Ill’, a primeira dos Smiths na noite, foi também a primeira a ser acompanhada com palmas. Na sequência, a melancólica ‘Everyday is Like Sunday’, hino indie, fez o público gritar o nome de Morrissey no final.

Em ‘Meat is Murder’, fez uma pausa nas histórias de amor para mostrar seu lado militante: a música, que defende o vegetarianismo, foi acompanhada por cenas de maus-tratos a animais no telão.

Moz não vai atrás tendências e segue fiel a seu estilo (assumidamente imitado por Renato Russo): ele é dramático, intenso, se sente a pior das criaturas, quer matar, morrer. Usa figurino adoravelmente cafona, com camisas com botões demais abertos. Em ‘Let Me Kiss You’, arranca a camisa (ele usou quatro durante o show) e joga para o público, que vibra.

Já sua banda chama atenção pelo figurino inusitado: o guitarrista Boz Boorer tocou vestido de drag queen, enquanto o guitarrista Jesse Tobias, o tecladista Gustavo Manzur e o baterista Matt Walker, se apresentaram usando apenas sunga.

Outro ponto alto da apresentação foi ‘There is a Light that Never Goes Out’, um dos maiores sucessos dos Smiths, cantada em uníssono pela plateia. Depois de 1h20 de um show ininterrupto, encerrado com outro hit, ‘How Soon is Now?’, Morrissey voltou para a única música no bis: ‘One Day Goodbye Will Be Farewell’. Ainda inebriado pela viagem no tempo que acabou de viver, ao público só restou ovacionar o cantor.

Aqui, o momento em que Moz arranca a camisa:

Matéria publicada em O Dia Online.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.